O QUE É ESCLEROTERAPIA?

Escleroterapia, também chamado de “aplicação” ou “secar vasinhos”, consiste em um procedimento médico, na maioria das vezes com finalidade estética, que pode ser realizado no consultório. Neste procedimento realizamos a injeção de um medicamento dentro dos vasinhos dilatados, causando uma irritação química da parede interna, tendo como consequência o desaparecimento deste vaso, que geralmente ocorre algumas semanas após o procedimento.
Quando os vasinhos estão sendo “alimentados” por outras veias maiores que são as veias nutridoras ou matrizes, somente a escleroterapia não será eficaz, e o resultado não será o esperado (os vasinhos não desaparecem totalmente ou “voltam” precocemente). O fleboscópio nos auxilia na detecção destas veias já que normalmente não são vistas a olho nu. Neste caso, a microcirurgia deve ser indicada e realizada primeiramente. Após a retirada da veia que está nutrindo aqueles vasinhos, a escleroterapia terá efeito mais satisfatório. O médico cirurgião vascular através do exame físico e da fleboscopia durante a consulta e se necessário, do Doppler vascular ultrassom colorido será capaz de avaliar qual a melhor opção de tratamento.
Existem vários tipos de líquidos esclerosantes, cada um com sua característica principal. A experiência do médico, associado ao histórico do paciente e do tipo de veia a ser tratada é que vai direcionar para qual esclerosante deverá ser melhor usado em cada caso.

ESCLEROTERAPIA (APLICAÇÃO DE VASINHOS) DÓI?

A intensidade de dor nas sessões de escleroterapia é baixa ou ausente, dependendo da tolerância de cada paciente. Hoje para amenizar a dor, usamos resfriador de pele que sopra ar gelado a aproximadamente 30 graus Celsius negativos, trazendo importante diminuição do estímulo doloroso e da melhora do resultado.

VASINHOS VOLTAM?

Uma vez que os vasinhos são retirados corretamente, estes não voltam. Porém fatores desencadeantes como hereditariedade e fatores externos como uso de hormônios, posição no trabalho, gravidez, obesidade e sedentarismo podem promover o aparecimento de novos vasos. Portanto após terminado o tratamento recomenda-se retornos periódicos para avaliação e realização de possíveis novas sessões para manutenção. O intervalo de retorno depende de cada caso, mas geralmente um retorno anual é o suficiente.

HÁ RISCO DE MANCHAR A PELE?

O risco de manchas na pele depois de escleroterapia é baixo, porém existe. O risco é maior em pacientes com pele morena e com exposição ao sol precoce depois do procedimento. Quando ocorrem, geralmente estas manchas desaparecem espontaneamente em 80 a 90% no prazo de seis meses. Passado este período podemos utilizar pomadas e cremes clareadores de pele.

ORIENTAÇÕES PRÉ ESCLEROTERAPIA

– Evitar uso de cremes hidratantes nos membros inferiores antes da sessão agendada.
– A pele quando muito bronzeada dificulta a visualização dos vasinhos.
– Trazer short para ser usado no momento do procedimento.

ORIENTAÇÕES PÓS ESCLEROTERAPIA

– Não há necessidade de repouso. Pode-se retornar ao trabalho ou outras atividades cotidianas logo após o procedimento.
– Nas primeiras 24 horas após o procedimento recomenda-se não realizar exercícios intensos. Após este período estão liberadas as atividades físicas tais como academia e práticas de outros esportes em geral.
– Evitar tomar sol nos membros inferiores enquanto permanecer os hematomas. Se for necessária a exposição ao sol, utilizar protetor solar com fator de proteção acima de 30.
Aplicar gel heparinóide (“Hirudoid 500” ou “Trombofob”) nos locais de hematoma até o desaparecimento completo dos mesmos.